sexta-feira, 8 de julho de 2011

Pastor é detido em São Paulo, após pregar sobre praticas homossexuais

No dia 28/06/11 por volta das 15h00min um pastor que pregava sobre práticas homossexuais, citando versículos bíblicos etc., foi detido e levado para prestar depoimento na delegacia. Segundo testemunhas um "ouvinte" que passava por ali se sentiu ofendido com as palavras que o pastor dizia, e logo chamou a polícia que tentou amenizar a situação, mas devido ao tumulto um policial usou spray de pimenta para afastar curiosos e ouvintes.

Na Praça da SÉ existem alguns pastores que pregam todos os dias, e cada dia é um pastor diferente.



Não faço nenhum juízo de valor sobre a forma e o modelo de pregação feita  naquele local, mas o absurdo é que o pastor que ali estava tem o seu direito constitucional e liberdade de expressar a sua fé e valores, mas mesmo assim foi impedido de continuar a sua fala... Enquanto isso a marcha pela liberdade e maconha, marcha pró-gays e sodomia, marchas das vadias, são livres e recebem apoio estatal e liberdade do judiciário.

Olha que o PLC 122/06 sobre a criminalização da homofobia ainda não foi aprovado no Brasil... Se estivesse em vigor o que seria daquele homem...

O perigo é assistirmos a este fato e continuarmos calado como se não fosse importante ou não termos nada a ver com isso.


ASSISTAM

13 comentários:

Sergio Jesus disse...

Respeito, mas tenho minhas restrições a esta prática.
Somos chamados, como Cristãos, a falar sobre o amor de Deus, e isto não significa necessariamente atacarmos qualquer prática que entendamos, dentro de nossa fé, como pecaminosa.
Entendo que estamos com foco no objetivo errado, ao invés de proclamarmos a Verdade baseados nas suas belezas, queremos fazê-lo baseado nas mazelas humanas.
O DIREITO DE LIBERDADE DE EXPRESSÃO é fundamental, mas é preciso aliar a este direito o bom senso.
Discordo da detenção, do cerceamento da liberdade, da sensibilidade extrema de quem se sentiu ofendido, mas entendo como falta de bom senso alguém ir para uma Praça disposto a condenar as práticas de outros, quaisquer que sejam elas.
Como Pastor Evangélico, já fui ofendido muitas vezes, comparado aos desonestos que se aproveitam para roubar o povo, e nem por isto procurei polícia ou qualquer tipo de retratação.
Estamos numa guerra - sensibilidade de um lado, ausência de bom senso de outro.
Nesta guerra não existirão vencedores, apenas feridos - feridos "felizes" por estarem defendendo suas idéias, de ambos os lados, próximas ao fanatismo.

Theo disse...

os policiais pouco tem a intenção ou a sabedoria para serem justos também... ou de levar a serio a constituição...

Theo disse...

os policiais nem sabem o que fazer... a despreparação é evidente... o argumento do incomodado é que é uma democracia e eu tenho direitos etc... mas o outro nao pode falar...

Anônimo disse...

não consigo ver o video por quê??

Zenobio Fonseca disse...

O vídeo esta normal, deve ser problema de configuração. veja no meu canal do youtube: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=-zQ8piq_zX8

Leonardo Davi Santana disse...

Faço minhas as palavras do Sérgio Jesus. Não é que não possamos publicamente condenar o pecado, devemos fazê-lo. Mas não deve ser esse o foco.

Anônimo disse...

Se toda liberdade de expressão vier seguida de permissividade no que concerne por exemplo chamar outros iguais de imundos....acho que devemos rever nossos conceitos..."raça imunda" foi o termo usado por esse pastor...o que nada tem a ver com um pastor educado, respeitoso etc...

Bill Hamilton disse...

@ Sérgio Jesus: Eu prego ao ar livre contra o pecado, qualquer que seja, mas a intenção é justamente enfatizar O EVANGELHO - as BOAS Novas! É claro que o homossexaualismo é um assunto polêmico, mas só por isso deveríamos calar a boca? Quando eu falar contra o adultério ou a embriaguez, à luz de 1 Co. 6.9-1O, ninguém reclama.

Creio eu que o movimento gay acha que, por gritar, reclamar, alegar ser ofendido, chamar a gente de homofóbico, ele vai poder nos calar diante da sua escolha pecaminosa. Eu digo: "NUNCA vai me calar diante daquilo que Jesus odeia [Hb. 1.9], independentemente da reação do pecador.

E você?

BeA disse...

@ Sergio Jesus: O movimento gay acha que, por reclamar, gritar, alegar ser ofendido e rotular a oposição ao seu pecado de "homofóbico', ele vai calar a boca do pregador da verdade. Mas, como eu posso calar a minha boca diante de qualquer pecado quando o propósito da Lei é evangelístico [Gal. 3.24]? Como posso me calar diante de um pecado que Deus odeia [Lev. 18:22; Hb. 1:9]? Como posso não falar de algo que Deus usa para convencer o homossexual do SEU pecado, da justiça de do juízo [Jo. 16.8]?

Eu prego ao ar livre, e nunca recebi reclamações de "adúlteros", de "alcoolatras" ou de "ladrões". Só porque os homossexuais reclamam, eu vou calar a boca e não utilzar a maneira bíblica de ajudar o pecador entender sua situação verdadeira diante de um Deus santo, santo, santo? Eu digo: "NUNCA"!

Tony Camargo disse...

Este video traz a tona a nova realidade moral religiosa brasileira. Foi comentado que a polícia não sabe lidar com esta situação, e nós evangelicos também. Quanto divisão nas opiniões, até mesmo parlamentares evangélicos não sabem como se posicionar. Este pastor que pregou na praça em SP esta de parabéns por ser um dos pioneiros em experimentar os fatos que antecedem o fim.

Anônimo disse...

Até que enfim a polícia faz algo que preste. Esse tipo de pregação na verdade é somente uma incitação ao ódio, que aliás, é bem comum entre os cristãos.

Matheus Cajaíba disse...

O corajoso "anônimo" aí de cima deveria provar a afirmação gratuita de que "incitação ao ódio" é "bem comum entre os cristãos". Ele poderia fazer isso demonstrando que os assassinatos de homossexuais no Brasil (menos de 1 por cento do total anual de cerca de 45 mil mortos) são provocados por "ódio" e seus autores são fanáticos religiosos, que saem matando gays por aí depois de ouvirem uma pregação na igreja.

Os militantes gayzistas, embriagados de rancor, eles sim são os que incitam o ódio. Querem silenciar à força aqueles que pregam a moral cristã. Cegados pela perversão que promovem, querem destruir aqueles que se opõem à prática do pecado abominável da sodomia, pecado que clama aos céus por vingança.

A farsa chegou a tal ponto que um comportamento que deveria ser repudiado por ser antinatural é promovido como intocável e sacrossanto, acima do bem e do mal e de qualquer crítica... E aqueles que discordam deste comportamento, e advertem à sociedade sobre os riscos de sua legitimação, são tidos como "promotores do ódio"...

A irracionalidade chegou aos píncaros do absurdo. Ou os cristãos reagem, e com veemência, ou será apenas o início da perseguição promovida pelos hedonistas.

Rafael disse...

Quando são todos homofóbicos é fácil querer lutar pelo direito de expressar livremente o seu preconceito.

Gostaria de saber se alguém começasse a pregar na praça da Sé que os cristãos são uma raça imunda (alias, só assim se pode chamar quem trata dessa forma seus irmãos homossexuais), gostaria de saber se nesse caso também iam defender a liberdade de expressão.
Ao contrário esses "cristão" iriam linchar o cidadão.