sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Crime contra homossexuais: a verdade oculta na manipulação de dados estatísticos

Por Zenóbio Fonseca

Nas últimas semanas toda a mídia nacional começou a divulgar cenas fortes de violências praticadas contra pessoas que vivem no homossexualismo. Em especial o caso da Avenida Paulista ocorrido em 14/11/2010, numa história mal contada em que 05 jovens agridem outros 03 jovens, sob alegação de que são homossexuais.

A mídia divulgou, em seqüência, outras duas matérias de agressões contra pessoas na Avenida Paulista, alegando se tratar de casos de agressões motivada por homofobia, pois num dos casos, o segurança de um prédio ao socorrer uma das vítimas ouviu o agressor chamá-lo de “viado”. Este foi o estopim para os ativistas pró-gays alardearem ser caso de intolerância contra o homossexual.

É fato que ninguém é a favor de qualquer tipo de violência física ou moral contra o ser humano, logo quando se apresenta cenas de violências contra qualquer tipo de pessoa seja ela criança, jovem ou idoso, a repulsa por tais atos ser imediata, pois o argumento correto de se proteger vítimas de assassinatos garante aceitação de todos.

Manipulação de dados estatísticos

Os ativistas homossexuais usando a mídia tentam incutir no imaginário popular que no Brasil está acontecendo um verdadeiro holocausto contra pessoas que vivenciam a homossexualidade.

A Câmara dos deputados foi palco recente de amplo seminário sobre a “crescente” violência contra os homossexuais, onde foram apresentados dados estatísticos pelas Organizações pro-homossexualismo que segundo eles registram 200 assassinatos de homossexuais por ano no País, o que espelha um grande massacre e perseguição de pessoas por elas simplesmente serem homossexuais.

No Congresso Nacional estamparam dados estatísticos sobre assassinatos no Brasil no período de 1980 a 2005, onde 800 mil pessoas foram assassinadas e entre esses homicídios constavam que cerca de 2511 eram homossexuais, conforme notícia do Grupo Gay da Bahia , ou seja, menos de 0,5% eram homossexuais.

Ora segundo afirmam os ativistas pró-gays o número de homossexuais na população brasileira é de 10%, logo estatisticamente existe uma grande contradição entre os números e a realidade, pois o percentual de assassinatos contra homossexuais atinge menos de 0,5 por cento. No mesmo período 800 mil brasileiros foram assassinatos.

Daí se concluir-se que a “população gay” não alcança 10%, ou não existe relevância estatística que evidencie tal perseguição, pois se assim fosse teríamos não apenas 2511 mortes em 25 anos, mas 80 mil mortes, porque no mesmo período foram assassinados 800 mil brasileiros, repita-se.

Segundo os novos dados oficiais do governo nos últimos anos os homicídios no Brasil estão em média na faixa de 50.000 brasileiros assassinado por ano, ou seja, “a cada ano, 50.000 brasileiros são assassinados, o que dá 138 brasileiros por dia, ou 414 a cada três dias. Se a questão é que, como afirmam os gays, "um homossexual é assassinado a cada três dias", isso dá 1 a cada 414 pessoas, ou seja, 0,25% dos assassinatos totais. Concluindo, morrem 40 vezes menos homossexuais do que heterossexuais (414 x 10% = 41). ” ¹

Ressalte-se ainda que tais agressões praticadas contra homossexuais geralmente se dão em horários e casas noturnas, em locais de prostituição, ou seja, locais onde a violência é comum a qualquer pessoa seja heterossexual ou homossexual. E mais, quando o agressor é um homossexual os órgãos públicos e a mídia não divulgam ou contabilizam estatisticamente tais informações.

Em diversos casos crianças e adolescentes têm sido violentadas por homossexuais e educadores, mas a mídia não noticia da mesma forma quando o homossexual é a vítima, salvo quando o escândalo é inevitável.

O governo quer privilegiar minoria da população dando-lhe mais segurança, criando políticas públicas específicas, enquanto a maioria da população sofre de violações diárias aos seus direitos humanos, morrendo 414 brasileiros diariamente, conforme denunciei em debate pró-homossexualismo no programa da MTV sobre a manipulação de dados pelos grupos GLTBS.

Importante concluir que o sistema jurídico no Brasil possui leis em vigor que garantem a incolumidade física e moral das pessoas e toda lesão ou ameaça são punidas pelo Estado, logo não precisamos de leis para privilegiar minoria da população em detrimento da maioria sofrida, pois todos somos seres humanos.

¹- Solano Portela. Genocídio de Homossexuais, ou heterofobia estatal? a arte de distorcer estatísticas. Postado Mídia Sem Mascaras
Publicado no Jornal Unidade/dezembro 2010

5 comentários:

Casal 20 disse...

Parabéns pelo trabalho, Zenóbio.

É impressionante o que fizeram com nossas mentes que não sabem juntar um pingo a um i. A quantidade de informação não equivale à qualidade e, muito menos, à reflexão crítica.

Agradecemos a Deus por servos como você que conseguem "revelar", por trás da mascaração da mídia, o enredo real que nos quer manipular.

Oramos por você.

╬ Ultra Defesa ╬ disse...

Parabens Zenóbio!

conheça a nossa Organização: http://ultradefesa.blogspot.com/

No blog contem um pouco sebre nós.

estamos trabalhando nas mesmas causas... Vamos divulgar o seu blog!

Abraço.

Eduardo Thomaz.

╬ Ultra Defesa ╬ disse...

Parabens Zenóbio!

conheça a nossa Organização: http://ultradefesa.blogspot.com/

No blog contem um pouco sebre nós.

estamos trabalhando nas mesmas causas... Vamos divulgar o seu blog!

Abraço.

Eduardo Thomaz.

[thg] disse...

O que o texto ironicamente chama de "holocausto homossexual" nada mais é que uma realidade antiga vindo, finalmente, à tona. O número de crimes contra homossexuais provavelmente não aumentou nem diminui nos últimos tempos. Entretanto, apenas nos últimos anos a discussão sobre os crimes com motivação preconceituosa tem aparecido na mídia.

Na prática, não importa quantos homossexuais foram mortos. O que importa é a motivação dos crimes. Ninguém é morto por ser heterossexual. Nenhum heterossexual é espancado até a morte por ter sido visto de mãos dadas com sua namorada na rua...


"E mais, quando o agressor é um homossexual os órgãos públicos e a mídia não divulgam ou contabilizam estatisticamente tais informações."

"Em diversos casos crianças e adolescentes têm sido violentadas por homossexuais e educadores, mas a mídia não noticia da mesma forma quando o homossexual é a vítima, salvo quando o escândalo é inevitável."


Nesses trechos destacados, o autor tenta, pretenciosamente, desvalorizar a luta contra a homofobia desviando a atenção do leitor de maneira estúpida e desprezível, ao equalizar crimes cometidos contra homossexuais (motivados por preconceito) e crimes praticados por homossexuais.

É preciso ser dotado de uma ignorância extrema para não perceber a gigantesca diferença entre as duas coisas. Existem más pessoas, bandidos e criminosos homo e heterossexuais. A orientação sexual nada tem haver com o caráter de álguem.

O homossexual que pratica um crime, o fez não por ser homossexual, mas por ser um criminoso e mau-caráter. O mesmo vale para os criminosos heterossexuais, obviamente.

A única verdade oculta nesse texto é o fato de a maioria dos fundamentalistas religiosos, que usam a Bíblia para pregar o ódio e discriminação, utilizarem a falsa relação entre homossexualidade e mau-caratismo para manipular a mente das massas de fiéis acéfalos, que são inacapazes de pensar e analisar a realidade por si próprios. Pessoas como estas fazem apologia à discriminação sexual e disfarçam a fragilidade do seu discruso se fazendo de vítimas e perseguidos. São uns coitados mesmo.

O Estado não pretende privilegiar ninguém. O Estado tem a obrigação de agir de modo que todos tenham seus direitos garantidos, inclusive protegendo as minorias discriminadas. Isso vale pra qualquer minoria, não apenas os homossexuais.

A Constituição já diz que todos somos iguais perante a lei e que todo cidadão tem os mesmos direitos. Mas como vivemos no Brasil, ainda é preciso fazer leis que enfatizem que os homossexuais, negros e etc, também são cidadãos e também têm seus direitos. É preciso ser bem específico, senão o povo não entende...

Infelizmente, estamos muito distantes de fazer parte de uma democracia efetivamente laica, como está escrito na Constituição. Por muito tempo ainda veremos o desenvolvimento social nesse país emperrado devido às ações de "formadores de opinião" e políticos retrógrados e conservadores.

Uma pena o inferno não existir...
Se existisse, pessoas como essas que espalham a intolerância e o preconceito seriam as primeiras da fila para entrar para o reino ao qual verdadeiramenre merecem.

Kant disse...

É evidente que existe uma campanha orquestrada para criar um falso clamor mundial e facilitar as investidas dessa gente contra os valores cristãos no Brasil e no mundo. Alguém sabe em que ficou o caso dasquela moça lá na Suíça que foi pra imprensa denunciar um partido da direita que segundo ela teria violentado-a deixando seu corpo cheio de marcas e com o nome do tal partido! Foi descoberto que era tudo uma montagem! Abram os olhos cristãos e democratas! Resistir é preciso. Kant - 05/03/2011 - 23:50